sexta-feira, 22 de abril de 2011

Parece (Estranhamente)

  
 Apesar de tudo, de todos, você ainda continua. Continua assim... Como se de repente nada nessa minha Estranha-mente pudesse ter fim.
Parece que sempre tens no olhar um pouco de tudo que me agrada, de tudo que me intriga, desde um bonito poema até uma tarde ensolarada. e tem um jeito de ver, e de mostrar o mundo que me fascina. Tens uma vida que possui segurança em cada palavra, gesto, e até mesmo em cada sorriso.
É quase uma loucura. Parece que és minha sina.

 Você estranhamente me irrita, mas parece que mesmo em qualquer circunstancia me transmite uma calma, a enorme calma em suas palavras, gestos, ou sorrisos; que soube como nortear decisões e até serviu de bússola para que eu me encontrasse nas minhas, mesmo que eu estivesse do outro lado, na outra margem...
Mas é algo que o coração sabe...
Parece que me ocorre que você me faz bem, (bem que contamina que vem com muita sutileza, disfarçado).
Eu quero guardar esse bem por muito tempo. Do jeito que ele puder ou quiser ser guardado.
É esse bem, ou algo que há entre nós, ou de amor solto no peito e fora dele, sem incertezas, que vai alem do que se pode ver, além do que os amigos podem ser, além de tanto, de tudo, e de todos, não importa: Está além do que podemos entender.

 Nós dois somos responsáveis eternos por cativar isso, e disso eu tiro o que sinto por esse bem estar em mim, esse som que ecoa no meu peito não é solitário, é feito de fulanos doidos, de dias de nossas vidas, e das noites de nossas loucuras, da saudade que bate de uma rotina cheia de desventuras,
É a minha paixão, mas você poderia ser meu inimigo, só mais um amigo, ou até meu irmão.
Mas é algo que a razão não explica, mas o meu coração bate, e a minha mente em redundância se ala, cria asas e voa...


Krol Rice
← Mensagem mais recente Mensagem antiga → Página inicial

0 comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.